sábado, 23 de janeiro de 2010

Namastê Psicanalítico – O Sentimento Oceânico


Com o passar do tempo e decorrer de vida deste blog, fui me distanciando do escopo psicanalítico, no qual era o principal objetivo e exercício de raciocínio deste blog.

Com o intuito de levemente aproximar-nos novamente da Psicanálise, vamos começar por onde terminamos os últimos “posts”: Em direção a uma maior consciência...

Peguemos então nossa jangada e avistemos as ilhas ainda não descobertas...

A ideia da possibilidade de se maximizar a Consciência humana, se Utopia ou não, vem também da própria ideia de Inconsciente, dado lançado de forma inconsciente por filósofos antigos, e de maneira genial e inovadora por Freud.

Somos parte de um Todo...

A Física, a Química, a Espiritualidade em seus diversos “ismos”, a Psicologia, enfim, muitos canais de conhecimento e sabedoria nos falam e flertam com isso.
Uma certa interconexão entre os seres vivos, a “matéria”, a energia, sempre foram alvo de estudos e de elucubrações.

Tal inter-dependência é caracterizada por um “mundo inter-relacionado ; um planeta que é um organismo vivo, onde cada habitante, cada ser está interligado...” - (Fy- http://windmillsbyfy.wordpress.com)...

Mas porque na maioria de nós, humanos, temos o sentimento de estarmos desplugados do mundo a nossa volta? É uma rotineira sensação que nos alcança sob diversas formas...

Apesar disso, acho que tal compreensão de perda de sintonia e de procura de uma volta, está mais perceptível à nossa atenção. E realmente estamos tentando “reperceber” ou reaprender esta interconexão, pois a realidade não tem revestimento.

Não será esse sentimento de eterno despreparo frente ao mundo e sentimento de desconexão, algo advindo de um sintoma ou desequilíbrio neurótico?

O corpo teórico da Psicanálise pode nos oferecer algumas razões a respeito disso.

Freud, no seu famoso livro “O Mal-estar da Civilização”, nos fala a respeito do sentimento oceânico, do qual ele mesmo não sente em si; “Nosso presente sentimento do ego não passa [...] de apenas um mirrado resíduo de um sentimento muito mais inclusivo - na verdade, totalmente abrangente -, que corresponde a um vínculo mais íntimo entre o ego e o mundo que o cerca. Supondo que há muitas pessoas em cuja vida mental esse sentimento primário do ego persistiu em maior ou menor grau, ele existiria nelas ao lado do sentimento do ego mais estrito e mais nitidamente demarcado da maturidade, como uma espécie de correspondente seu. Nesse caso, o conteúdo ideacional a ele apropriado seria exatamente o de ilimitabilidade e o de um vínculo com o universo – [...] o sentimento ‘oceânico’. "

Existem certas condições psíquicas existentes nos indivíduos que são geradas e guiadas por um contorno especial, trazido como se fosse uma memória afetiva dos tempos glórios e inglórios da relação com a mãe, no período compreendido desde o enovelamento narcísico no útero da mãe, até a concepção, a amamentação, o desmame, e todas as outras formas de separações inevitáveis que vão ocorrendo ao longo da vida.
Rompimentos ou vivências que possam ter acontecido de forma demasiadamente abrupta ou com sofrimento (toda separação é um sofrimento), podem acarretar uma série de complicações psíquicas ao humano.

E no decorrer dessas “faltas”, sentidas como perdas irreparáveis, propiciam uma sensação de que se está só, e de que toda relação, como o amor, a amizade, ou a falta dessas, ficam implicadas por esses denominadores que ocorreram na infância constituinte mental e inconsciente do indivíduo.

O ponto que quero tirar de tudo isso é: Talvez estes sentimentos experimentados de separação, angústia, nada mais são que um efeito intrincado de causas longínquas, que estavam presentes em um tempo que não podíamos refletir e digerir bem certos momentos emocionais, e que de alguma forma ficaram eternizados numa certa sensação de mal estar e outras piores, variando com os diversos graus de constituição e genética pessoal, e da formação de cada Inconsciente, único e abundante de significações e simbolismos.

2 comentários:

Renat´s disse...

Interessante, muuuito interessante...

Anônimo disse...

um sentimento oceânico....

ah , um bj pra Freud.

Fy
bj